Parapsicologia

O termo Parapsicologia origina-se de Parapsychologie, introduzido em 1889, pelo pesquisador alemão Max Dessoir. Diz respeito ao estudo de experiências e comportamentos aparentemente anômalos, que podem ocorrer entre organismos, e entre estes e o meio ambiente que os origina, sem uma intermediação sensorial ou motora.

A Parapsicologia estuda os seguintes aspectos:

A hipótese da existência de uma forma de obtenção de informações (comunicação) que prescinda da utilização dos sentidos humanos conhecidos (percepção extra-sensorial), tais como telepatia, clarividência e precognição.

A hipótese da existência de uma forma de ação física sobre o meio físico em que não seriam utilizados qualquer mediadores ou agentes (músculos ou forças físicas) conhecidos, como a telecinese.

Os fenômenos associados a memória extra cerebral (retro cognição) e a experiências multidimensionais, como a experiência de quase-morte, projeção da consciência, mediunidade, etc.

O parapsicólogo, embora atue junto ao universo dos paranormais, em sua ânsia pelo entendimento da natureza do fenômeno, não necessita ser dotado de capacitação psíquica para compreender a fenomenologia Psi e orientar o paranormal em sua busca por elucidação e aconselhamento.

Como funciona a Parapsicologia Clínica?

É uma atividade terapêutica, que inclui orientação e aconselhamento às pessoas que passam por algum tipo de dificuldade, com relação a fenômenos e experiências inexplicáveis, que podem ocasionar sintomas indesejáveis.

A parapsicóloga auxilia o consulente a encontrar os fatores que predispõem ou produzem estas ocorrências, entender o significado daquilo que experimenta e adotar medidas para abordar estes fenômenos visando o reestabelecimento de um equilíbrio maior.

Entre as ferramentas mais utilizadas pelos parapsicólogos clínicos incluem-se o relaxamento e a hipnose, através dos quais o consulente chega a estados ampliados de consciência, nos quais pode entrar em contato com conteúdos inconscientes os quais o ajudam a compreender-se.